« Regressar

Pouco depois de Elvis me ter pedido para me conhecer melhor como amigos, estávamos a apanhar banhos de sol na piscina, mesmo à saída da sala de estar da suite do então International (em breve Hilton) Hotel. Ambos tínhamos daqueles óculos ’casca de ovo’ postos para proteger os olhos.

Ele perguntou-me quais eram as minhas canções preferidas de gospel. Apontei algumas e mencionei How Great Thou Art. Ele sentou-se direito na sua cadeira longa e disse, “Gostas dessa? Querida, esse é o ÚNICO disco meu que ganhou um Grammy.” Começámos os dois a cantá-la e eu disse, “Devias cantar isto no concerto!” Ele disse, “SIM! Vou cantá-la!” 

Nessa tarde marcou um ensaio. Infelizmente, os elementos da orquestra e da banda não achavam que uma canção gospel tivesse lugar num palco de Las Vegas.

Mas ele cantou-a do mesmo modo e não só obteve uma ovação em pé, como a multidão não parou de aplaudir, até ele ter de a cantar outra vez.

Continuou a ser cantada nos concertos de Vegas durante uns tempos, até finalmente ter havido tanta pressão para não cantar uma canção gospel que foi retirada durante meses.

Charlie Hodge convenceu-o a voltar a cantá-la nos concertos dados em digressão, e sempre com a mesma e exata resposta inspiracional que obtivera da primeira vez.

O resto, é história.

« Regressar