« Regressar

UMA NOITE NO CINEMA OU QUANDO OS MELHORES PLANOS FALHAM

Tenho a certeza que todos vós já ouviram histórias sobre Elvis alugar o Memphian Theater em Memphis a meio da noite para ver filmes (um grupo de cerca de 15 de nós).

Nesta noite em particular, Elvis estava vestido com um dos seus fatos “SUPER FLY” que gostava na altura. Na realidade, ele parecia-se mais com “Spy vs. Spy”, mas deixei-o pensar que se parecia com Super Fly. Tinha um chapéu enorme, correntes e trazia uma pequena metralhadora Tommy, assim como um casaco muito comprido que lhe chegava aos tornozelos. Tão engraçado.

Não me lembro do que vimos nessa noite, mas por volta das 4 da madrugada foi a hora de ir embora. Fizemos a reunião do “plano para sair do cinema” como de costume, para evitar o caos com as multidões que se juntavam. Disseram-me para sair quer pela porta da frente ou uma das laterais, para os fãs esperarem que Elvis saísse por aí. Eu era o ‘isco’... por assim dizer... Elvis iria sair por uma porta diferente. A-ha... Sabíamos o que fazer! “Sim... Entendemos tudo!” Sim!... Mais uma saída rápida, veloz e segura. 


Legenda: Com o irmão por afinidade, Ricky Stanley.

Disse a toda a gente que precisava de ir rapidamente à casa de banho, por isso fui à frente. Quando saí... todo o cinemna estava deserto e escuro como breu. A única luz que se via era a luz suave da máquina de fazer pipocas. Sim... eu estava FECHADA NO ESCURO, escuro (já disse que estava escuro?) cinema. Muito assustador, por qualquer motivo. Por qualquer motivo, sempre achei um cinema escuro bastante perturbador. O meu primeiro pensamento, enquanto o coração batia descontrolado, era que algum “maluco” devia estar a preparar alguma e que Elvis pudesse estar magoado e eu  não trazia a pistola que ele me tinha dado na bolsa! Tinha confiado na pequena metralhadora dele nessa noite. Achei que seria proteção suficiente. Ha! Comecei a entrar em pânico, sabendo que ninguém iria reparar que eu estava “desaparecida” até chegarem a casa. Ou talvez NINGUÉM reparasse que eu estava em falta? Ou pior... E se alguma coisa horrível estivesse a acontecer e... e... e... Bati na porta da frente e gritei... não na minha voz “protegida de cantora”.

Felizmente o jovem que tomava conta do cinema/pipocas/bebidas naquela noite estava mesmo a entrar no seu carro e ouviu-me! Destrancou a porta da frente e simpaticamente decidiu esperar comigo para ver se alguém se apercebia que eu não estava em casa. Não passou muito tempo até alguém vir buscar-me... Graças a Deus tinham notado quando chegaram a casa. MAS... O pior foi que de alguma forma toda a gente pensou que “o outro” tinha apanhado Elvis e eu. Na realidade, NENHUM de nós tinha sido recolhido. Também se tinham esquecido dele! Saímos depressa, entrámos nos carros para agora o encontarmos... a ele!

Ele vinha casualmente a andar a pé pelas ruas de Memphis às 4 da manhã, vestido à Super Fly, com a metralhadora... sozinho... estava a tentar chegar a pé a casa. Tinham chegado a casa a olhar, a procurar, a gritar... “Pensava que a tinhas trazido... Pensava que o tinhas trazido!”

Quando ele entrou pela porta principal... Irromperam gargalhadas e muita conversa em simultâneo... Surpreendentemente, ELE RIU-SE MAIS DO QUE QUALQUER OUTRA PESSOA, dizendo e rindo alto, “Tenho a melhor segurança do mundo... melhor que a do Presidente dos Estados Unidos, e aqui estou eu, a caminhar pelas ruas escuras de Memphis para chegar a casa às 4 horas da madrugada??!!!”

Caramba! Este é o único filme de que me lembro naquela noite.

« Regressar